Seguidores e seguidoras

sábado, 31 de mayo de 2014

Tempo de polos. Tempo do Atlas.

 NOTA PRÉVIA: Lembrade que em galego reintegracionista non há sesseio e, por tanto, nom devemos ler à portuguessa o "-ç-". Se por terras além do Minho pronúnciam-a coma "-s-", em galego devemos de a pronunciar exactamente coma se fosse umha "-z-" normativa. Ademais o "-m" a final de palavra nom é senom o "-n-" velar (palatal final, vaia) que todos vós pronunciades a diário sem vos dar conta. Igual que nom ledes o castelhano normativo ao estilo "andalú" nom devedes ler o galego ortodoxo coa fonética lusa (esta leiçom é de balde; a próxima vou-vos cobrar). O da diferente acentuaçom e demais cóntovo-lo outro dia, para nom vos saturar.

  Tinha pensado adicar este ano 2014 a recuperar entradas mais diversas e a tratar campos coma entomologia ou herpetologia, mas nom vai poder ser. Como já sabedes, comprometim-me a trabalhar para o Atlas de aves reprodutoras ( con várias cuadrículas asignadas na zona), e isso vai-me impeder adicar tempo a outras cousas. Assi pois, "Bichos" vai centrar-se nos bichos emplumados daqui a 2017.

 Corvo pequeno (Corvus corone) voantom

 Esta manhá botava um par de horas prospectando a zona de Taraça. Se a melhor época do ano para detectar especies orníticas é a Primavera temperá, quando chegamos a estas alturas de Maio ou Junho, volve-se muito mais doado confirmar a reproduçom das aves. Os polos da primeira rolada começam a sair do ninho e comportam-se com umha grande confiança cara os observadores humanos (e humanas, Inés ;). Umha boa ocassom para as fotografar:

 Família de Estorninhos pretos (Sturnus unicolor), com jovem à dereita

 Hoje elevava a categoria de cria para várias espécies, segundo a metodologia facilitada pola SEO e pola SGO (que é quem coordina o atlas no nosso país). Do grao de cria possível ou provável passavam a cria confirmada umhas quantas aves residentes nos prados de Taraça; coma Corvo pequeno, Carriço ou Estorninho preto.

 A verdade é que me encanta a metodologia que propóm a SEO para trabalhar o Atlas. Por muito que se queixe Paco, é moi doada e asequível para qualquer pessoa cumha experiência de campo média. E o período de mostragens, até 2017, fai que podamos levar o trabalho de campo com tranquilidade. Nom há que tolear! Se nom damos confirmada a cria do Ferreirinho real este ano nom passa nada, havémo-lo de fazer o ano próximo ou o seguinte. Nom há presa!

 Desde aqui, quero animar-vos a todos e todas, mais umha vez, para que aportedes o vosso grao de areia neste projecto magnífico que é o Atlas de Aves Reprodutoras de Espanha. Umha ocassom para melhorar a vossa experiência de campo, o vosso conhecimento sobre a hábitat, cantos, fenologia e comportamento das aves. Essas cousas que só aprenderedes botando moitas horas no campo, mentras observades "aves comúns". E veredes que a observaçom rutinária de espécies com pouco glamour pode volver-se muito mais interessante quando temos umha nova meta como é o seu seguemento reprodutivo. E, por riba, os nossos dados ham server para que os expertos podam ter muita mais informaçom útil.

   E, se quadra, aínda vai aparescer algumha sorpresa na saida de campo. Coma este macho de Corço, que começou "ladrar" em quanto me veu esta manhá.

Corço (Capreolus capreolus), macho

A que estades esperando, ornitólogos? Venha! a saír ao campo manhá! O Atlas necessita-vos!! Já atopáchedes um ninho de Chasco ou de Lavandeira? 

No hay comentarios:

Publicar un comentario